TSE prevê resultado para a madrugada de domingo

  Sérgio Lima/F.Imagem
O presidente do TSE, ministro Marco Aurélio Mello informa que, entre 22h e 23h de domingo, a Justiça eleitoral terá totalizado 70% dos votos da eleição deste domingo. Se o resultado estiver apertado, talvez ainda não seja possível saber se o país já terá um presidente eleito ou se a disputa vai para o segundo turno. Em entrevista ao blog, Marco Aurélio prevê que 100% dos votos terão sido apurados na madrugada de domingo. Ele pretende anunciar o resultado oficial na manhã de segunda-feira. Leia abaixo a entrevista:

-Algum imprevisto?

Não, está tudo tranqüilo, correndo como o previsto. Aguardamos apenas a votação e a apuração no domingo.

- Quando o país conhecerá o resultado das eleições presidenciais?

Por volta das 22h, 23h de domingo teremos cerca de 70% dos votos apurados.

- Com 70% já dá para saber o resultado?

Talvez não. Depende muito dos colégios que terão alimentado o sistema de apuração até esse momento.

- Quando teremos 100% dos votos apurados?

Ao longo da madrugada teremos isso, se não houver nenhum incidente.

- A que horas será feita a comunicação oficial?

Será comunicado por mim, já na manhã de segunda-feira, depois que o sítio do TSE já estiver estampando o resultado.

- Não há hipótese de ocorrer no próprio domingo?

Não creio que haja espaço para isso. Isso será à luz do dia, já com o conhecimento pela veiculação via informática. Se a apuração não estiver encerrada, teremos a divulgação parcial, mas não com uma palavra oficial do tribunal.

- A que horas o tribunal começa a divulgar a apuração?

Em relação ao pleito presidencial, só poderemos fazê-lo depois de 19h, horário de Brasília. É quando encerra a votação no Acre e numa parte do Amazonas, que têm fuso diferente. O peso eleitoral desses lugares é pequeno, são 412.840 eleitores, 0,0328% do eleitorado, mas não podemos divulgar antes do encerramento total.

- Acha que a divulgação das notas que seriam usadas para comprar o dossiê terão reflexos eleitorais?

Depende do acesso do eleitorado a esses fatos. Foi veiculado que havia esse dinheiro. Agora surgem as fotografias. É uma incógnita.

- E quanto à investigação aberta pelo TSE no caso do dossiê, acha que tem influência no processo eleitoral?

No campo jurídico, não. No campo da repercussão junto aos eleitores vai depender de cada eleitor.

O sr. vota em Brasília?

Sim. Eu votava no Rio mas transferi o meu título de eleitor para cá. Cortei, até certo ponto, as amarras com o Rio. Só não abandonei o meu Flamengo e a minha praia.

- Como eleitor o sr. acha que seria conveniente que houvesse segundo turno?

Eu penso que, de certa forma... Eu já ia cometendo um ato falho. Olha, vou dizer apenas uma coisa: o seu pensamento é o meu.